Patrocinado

Mulher acusada de matar grávida em Canelinha é mentalmente sã e poderá ser julgada pelo crime

Mulher acusada de matar grávida em Canelinha é mentalmente sã e poderá ser julgada pelo crime

Foi juntado ao processo penal o laudo de perícia judicial realizada a pedido da defesa, que atesta a sanidade mental da mulher denunciada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pelo homicídio de uma mulher grávida em Canelinha, com intuito de roubar o bebê. 

Com a juntada do laudo, a ação penal, que estava suspensa, seguirá seu curso normal.

 

Os exames, realizados pelo Instituto Geral de Perícias (IGP), levaram à conclusão de que a ré "não possui qualquer transtorno psiquiátrico, doença mental, perturbação da saúde mental ou desenvolvimento incompleto ou retardado. Tampouco apresentou alguma dessas condições antes, à época ou após as práticas delituosas em apuração".

 

Assim, a mulher é classificada como imputável, segundo as prerrogativas da responsabilidade penal, e será processada pelo crime que supostamente cometeu. 

O próximo passo do processo é a citação dos réus para resposta inicial à denúncia apresentada pelo Ministério Público.

 

Além da mulher, seu marido também foi inicialmente denunciado pelo MPSC e, como ela, preso preventivamente. 

Porém, a análise de novas provas levaram à conclusão de que ele teria sido enganado pela companheira todo o tempo e sua prisão preventiva foi revogada a pedido do próprio Ministério Público.

 

Se nenhum outro elemento surgir no decorrer do processo, o homem também deve ser excluído da denúncia apresentada pela possível prática dos crimes de feminicídio, tentativa de homicídio, parto suposto, subtração de incapaz e ocultação de cadáver. 

Na ação penal, que já foi recebida pelo Judiciário, o MPSC requer que os denunciados sejam submetidos ao julgamento do Tribunal do Júri da comarca de Tijucas. 

 

Segundo as provas produzidas em inquérito policial, no dia 27 de agosto a investigada teria levado a vítima para um local ermo, supostamente para participar de um chá de bebê surpresa, onde a golpeou com um tijolo e provocou seu desmaio. 

Na ocasião, a vítima estava grávida, e a investigada teria usado um estilete para realizar, de forma precária, o parto. 

A hemorragia do ferimento causou a morte da vítima.

 

Em seguida, a denunciada teria se encontrado com o companheiro e ido até o Hospital de Canelinha, onde informou que o filho da vítima era seu e que fizera o parto em via pública, solicitando, portanto, ajuda no pós-parto. 

A equipe do hospital que atendeu a demanda percebeu que as informações eram controversas e acionou a Polícia Militar, que constatou o crime.



Patrocinado