Patrocinado

Tecido antiviral possibilita 50 lavagens sem perder efeito contra o coronavírus

Tecido antiviral possibilita 50 lavagens sem perder efeito contra o coronavírus

A empresa Catarinense Dalila Têxtil, que foi a pioneira com a proposta de um acabamento antiviral nas malhas, acaba de receber a certificação de que a eficácia do produto dura até 50 lavagens sem perder o efeito contra o coronavírus. 

Além deste laudo, o aditivo utilizado é 100% eficaz contra o vírus.

Ele elimina qualquer bactéria que entrar em contato com o tecido, informa mais um laudo testado pela Unicamp com a nova cepa do Covid-19. 

 

O ANTIVIRAL Dalila já foi distribuído para segmentos fitness, hospitalar, cama, mesa e banho, entre outros. 

O tecido já foi testado em máscaras faciais, tecidos de confecção e outras aplicações, obtendo comprovação da redução significativa na infectividade viral e bacteriana. 

Os testes laboratoriais foram realizados em laboratório independente seguindo as normativas científicas reconhecidas internacionalmente, como a AATCC 100 (antibacteriana) e ISO18184 (antiviral).

 

O diretor da Dalila Têxtil, André Klein, destaca:

 

“Essa inovação impacta o mercado da moda para melhor pelo fato das roupas começarem a unir design e cuidados com a saúde”. 

“Essa tecnologia promove a ruptura da membrana e inibe o crescimento e a persistência do vírus na malha, com um mecanismo de ação que bloqueia a ligação do vírus nas células hospedeiras, impedindo que o microorganismo libere seu material genético no interior, reduzindo a capacidade infecciosa nas células”. 

 

Como funciona a tecnologia antiviral

 

A tecnologia por trás do acabamento antiviral utiliza partículas de prata para atrair o vírus com carga oposta fazendo com que o mesmo se ligue aos grupos de enxofre presentes na superfície que envolve o vírus.

De acordo com a Klein, essa reação impede a ligação do vírus à célula hospedeira, bloqueando sua replicação.

 

O íon de prata é um antimicrobiano de amplo espectro que atua frente às bactérias causadoras de mau odor e eventuais doenças de pele. 

A prata é utilizada no setor têxtil, devido às suas propriedades ópticas, físico-químicas e biológicas únicas. 

O produto utilizado não citotóxico, ou seja, não apresenta toxinas nocivas às células. 

Além disso, a formulação do produto é baseada em química verde, com estabilizante natural de origem brasileira.



Patrocinado

Destaque Empresarial

Será o fim dos contratos em papel?

Contratos assinados eletronicamente no ERP de gestão jurídica Espaider trazem mais segurança e agilidade